quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Textos do Prof. Nelson de Castro Senra

.
Reúno neste post alguns textos do Prof. Nelson de Castro Senra.

O Prof. Nelson é Doutor em Ciência da Informação pela UFRJ/Eco (Escola de Comunicação) e CNPq/Ibict (Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia), com a tese "A Coordenação da Estatística Nacional. O equilíbrio entre o desejável e o possível". É Mestre em Economia pela FGV/EPGE (Escola de Pós-Graduação em Economia, sob a direção do Profº Mário Henrique Simonsen), com a dissertação "O fenômeno sazonal na construção de índices de preços ao consumidor", e economista pela Universidade Cândido Mendes, Faculdade de Ciências Políticas e Econômicas do Rio de Janeiro.

Fui aluno do Prof. Nelson nos anos de 1999 e 2000, quando participei do mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais (linha de Produção e Análise da Informação Geográfica) da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE/IBGE, Rio de Janeiro). Das disciplinas que tive a honra e o prazer de cursar com o Prof. Nelson, destaco a de "Metodologia da Pesquisa Social", onde através de um conteúdo bastante diversificado (aulas expositivas, debates, filmes, e pequenos textos para reflexão) pude ter meu primeiro contato com essa forma específica de ver e (tentar) entender o mundo, chamada "ciência".

Torno público aqui o agradecimento que consta de minha dissertação de mestrado:

Aos professores do curso de Mestrado da ENCE, pela dedicação e orientação, e em especial ao professor Nelson Senra, quem primeiro me ensinou o que é verdadeiramente “fazer ciência”, de uma forma que é impossível esquecer.

Seguem os links para os textos:

1999

Informação Estatística: política, regulação, coordenação.
Ciência da Informação, Brasília, vol. 28, n. 2, 1999.

Garantia de sigilo, a deontologia do Estaticista: sua conduta ético-moral.
Rio de Janeiro, IBGE, texto para discussão, maio 1999. 8 p.

Política de Informação (Quantitativa): concepção, formulação, aplicação.
Rio de Janeiro, IBGE, monografia para discussão, abril 1999. 54 p.

1998

A coordenação, a argumentação e a comunicação das estatísticas, vértices de um mesmo triângulo.
São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 92-98, out./dez. 98.

Os sistemas de informações estatísticas no limiar do terceiro milênio: o imperativo da coordenação. (O caso brasileiro).
2ª versão. CNPD - Comissão Nacional de População e Desenvolvimento, jan./fev. 98. 48 p.

As Sociedades Científicas e a Informação Estatística. O SBPC/GT-Informação, (des)encontro marcado entre usuários e produtores?
Rev. ANPEC, Brasília, n. 4, p. 199-211, fev. 98.

1997

Um olhar sobre os anuários estatísticos.
Ciência da Informação, Brasília, v. 26, n. 1, p. 7-11, jan./abr. 97.

1996

Governamentalidade, a invenção política das estatísticas.
Informare, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 88-95, jan./jun. 96.
[Apresentado no I Encontro de Pesquisa da Pós-Graduação em Ciência da Informação, CNPq/Ibict e UFRJ/Eco, Rio de Janeiro, 9 ago. 95].

Cálculo econômico e a arte de governar ou A relação entre a contabilidade e a estatística.
Informare, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 85-91, jan./jun. 96.
[Apresentado no Colóquio Organização do conhecimento e representação da informação: enfoques e perspectivas, CNPq/Ibict e UFRJ/ Eco, Rio de Janeiro, 27 set. 96]

1994

Por uma disseminação democrática de informações.
São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 8, n. 4, p. 40-45, out./dez. 94.

1993

A Informação e a Formação do Mercosul.
Network. Cândido Mendes, v. 3, n. 2, abr./jun. 93.

.

Earth Song, Michael Jackson

.
Estava ouvindo esta música (que gosto muito) quando me veio a idéia deste post. A princípio pensei que seria um daqueles posts "off topic", nada a ver com computação. Só que fui me dando conta que tem TUDO a ver com computação!

Estou falando para os "nerds" como eu: As vezes, no nosso afã de tecnologia e inovação, esquecemos uma coisinha simples e básica: tudo que usamos de tecnologia, memórias maiores, processadores mais rápidos, novas telas maiores e brilhantes, tudo isto tem um impacto no meio ambiente. Minha esposa usa uma frase bastante interessante, e concordo com ela: Quando ela vê um exemplo entre tantas "inovações tecnológicas" que se inventam diariamente (como esta aqui, por exemplo), ela diz que "o planeta não vai aguentar!".

Estive no FISL mês passado, e assisti uma palestra sobre lixo tecnológico. O palestrante falou algo que me deixou estarrecido: para produzir UMA simples plaquinha de memória de 30 pinos (sim, aquela velhona, de 32Mb, que ninguém mais usa), que pesa no máximo 2 gramas, foram gastos 1500 gramas de material retirado do meio ambiente (matéria-prima, energia, etc) !

Nós, do mundo do Software Livre, podemos fazer a diferença nesta história, contribuindo para divulgar a idéia de reaproveitamento de máquinas antigas, seja como terminais gráficos "burros", seja com distribuições GNU/Linux (ou *BSD, ou xyz, ou ...) leves.

Inovação tecnológica sim, mas com responsabilidade. Cuidemos melhor de nossa Deusa-Mãe GAIA.

Mas afinal de contas, de que música estou falando? Desta aqui embaixo ("Earth Song", Michael Jackson). Assista, e se rolar uma lágrima (como acontece comigo), não se envergonhe. Torça comigo para que o final poético apresentado no clipe seja possível algum dia.



Abraços a todas e a todos!

Carlão